Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Os cadernos culturais

Os (cada vez mais) precários cadernos de cultura


      A convivência com escritores, de alguns anos para cá, serviu para fundamentar informações que envolvem alguns aspectos ligados à imprensa escrita. Reclamam, os escritores em geral, e só por eles posso falar, que cada vez mais se deteriora a cobertura por parte da imprensa a eventos na área literária. O silêncio, a falta de eco nos ditos cadernos específicos, de notas e informações sobre o cenário cultural (eventos, lançamentos, exposições), pode estar ligado a vários fatores. Em alguns casos, de pessoas que mantêm presença nas redes sociais, através de blogs, nos quais expõem opiniões e posturas, a falta de eco tem lá razões de ordem política, ou ideológica. A cor dos olhos é um argumento pequeno para motivar posicionamento de natureza social.

                                                       (Imagem:jws.com.br)

      Se o enunciador não se exime de fazer comentários não alinhados com as expectativas de determinado grupo, pode tornar-se alvo de críticas negativas oriundas desse grupo. Como vivemos uma época de adesões e rejeições que sempre possuem desdobramentos partidários ou políticos, aí o caldo engrossa de vez. Qualquer indício de apoio ou simpatia por ideias ou crenças será lido de forma inflamada pelo grupo que se alinha no lado oposto. Na realidade brasileira contemporânea, os cadernos culturais são remanescentes de um jornalismo de rosto socialista, refratário às críticas direcionadas aos descaminhos recentes da política de esquerda nos últimos treze anos de governo petista. O que se observa é um jornalismo de raso lastro intelectual, de espessura medíocre, que não suporta análises matizadas de maior envergadura e consistência hermenêutica. Nas configurações mais comuns e espalhadas, são redutos adestrados pela narrativa de que houve golpe com o impeachment da presidente afastada. No caso da literatura, área já solapada pelos ditos estudos culturais dos anos recentes, alijada da cobertura jornalística, o estrago pela não divulgação de eventos é maior. Quem fica prejudicada é a sociedade, atulhada de fofocas e pitis de famosos, desprovida de um canal eficiente e imparcial de informação e serviço.    

2 comentários:

  1. Prezado Edgard, excelente texto o seu, de acurado senso no que diz respeito ao descaso que a literatura, a boa literatura, vem sofrendo por parte da mídia. Faltam, em geral, cobertura e análises mais cuidadosas das produções que vêm se fazendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O comentário de um escritor, como é o caso de Evaldo Balbino, premiado em vários concursos, só ratifica o que desejei expressar.

      Excluir