Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Herberto Helder

Livro do mês: Poesia toda

      Os grandes livros de poemas não são lidos de uma assentada. Vão sendo lidos aos poucos, de vagar, como devem ser. A eles voltamos com frequência e muito gosto. Com Poesia toda, de Herberto Helder (1930-2015), não foi diferente. Sempre que me via carente de bons poemas, voltava ao tijolão de 575 páginas. O que se seguia eram instantes de puro encantamento e renovado prazer.
      Herberto Helder, possuidor de uma escrita exuberante e hermética, volta-se para o resgate de energias arquetípicas em A colher na boca (1961), A máquina lírica (1964), O bebedor noturno (1968), Cobra (1977), A cabeça entre as mãos (1982). Segundo Natália Correia, “A poesia de Herberto Helder, sempre obsessiva, reflete como que um imenso orgasmo sem fim. Nela, a mulher – o gênero, mais que o amor individualizado – é a musa universal, receptáculo dos seus excessos e do êxtase que o projeta numa insaciável tensão. Daí, a corrosão de um erotismo que nele é visceral, orgiástico, e que mais não cessa, qual canto cósmico da atitude de amar e da presença matriarcal” (CORREIA, 1999, 455).


      A expressão dessa voz lírica arrojada, de um fôlego desmedido, vem desde o primeiro livro revelando-se dotada de uma dimensão mágica e cosmológica, nomeando e exaltando o corpo feminino como força aglutinadora de energias universais:

      “Dai-me uma jovem mulher, com sua harpa de sombra
      e seu arbusto de sangue. Com ela
      encantarei a noite.
      Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher.
      Seus ombros beijarei, a pedra pequena
      do sorriso de um momento.
      Mulher quase incriada, mas com a gravidade
      de dois seios, com o peso lúbrico e triste
      da boca. Seus ombros beijarei.

      Cantar? Longamente cantar.
      Uma mulher com quem beber e morrer.
      Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave
      o atravessar trespassada por um grito marítimo
      e o pão for invadido pelas ondas -
      seu corpo arderá mansamente sob os meus olhos palpitantes.
      Ele – imagem vertiginosa e alta de um certo pensamento
      de alegria e de impudor.
      Seu corpo arderá para mim
      sobre um lençol mordido por flores com água.

      Em cada mulher existe uma morte silenciosa.
      E enquanto ao dorso imagina, sob os dedos,
      os bordões da melodia,
      a morte sobe pelos dedos, navega o sangue,
      desfaz-se em embriaguez dentro do coração faminto.
      - Oh cabra no vento e na urze, mulher nua sob
      as mãos, mulher de ventre escarlate onde o sal põe o espírito,
      mulher de pés no branco, transportadora
      da morte e da alegria.

       Dai-me uma mulher tão nova como a resina
      e o cheiro da terra.
      Com uma flecha em meu flanco, cantarei.
      E enquanto manar de minha carne uma videira de sangue,
      cantarei seu sorriso ardendo,
      suas mamas de pura substância,
      a curva quente dos cabelos.
      Beberei sua boca, para depois cantar a morte
      e a alegria da morte”.
      (…)
      (HELDER, 1990, 18-19)

      O efeito em mim produzido pela poesia de Herberto Helder corresponde antes a um mergulho num discurso matizado de efeitos fantásticos e cognitivos, mais do que uma passiva fruição de uma delirante montagem de imagens. Percebi nos seus poemas uma recolha de associações oníricas, mais do que um inventário de práticas poéticas cristalizadas. Uma inusitada capacidade de dizer coisas simples e belas, ao mesmo tempo, algo como -

      “Somente o mundo é uma coisa sonora. E eu estou soldado por cada laço da carne
            aos laços
            das constelações. (…)
      Porque o corpo é uma gruta de onda saltam
      os sóis, uma insónia que liga
            o dia ao dia,
      pelos jardins trespassando os estúdios
      ainda imóveis, dentro das portas fechadas pelos próprios
            astros brancos”.
      (HELDER, 1990, 376)

      “E há uma criança perpétua, por dentro, quando se vive em recintos
      cheios de ar alumiado. De fora, arremessam-se
            às janelas
      as ressacas vivas dos parques. Ela toca o nó
            do espelho de onde salta
      uma braçada de luz. Cada lenço que ata
            a própria seda do lenço
      o desata”.
      (HELDER, 1990, 364)

      Como se a leitura só pudesse alcançar sua efetiva evolução se nos despíssemos, nos desnudássemos forçosamente do arcabouço lógico. Então era aceitar o desafio: enveredar sem freios numa desordenada aventura verbal, executada com pleno domínio de ritmo, sem desvios sintáticos e sobressaltos sentimentais. A leitura de Herberto Helder demanda um ajuste no sentido de codificar um discurso de exaltada espessura subjetiva e alargada densidade emotiva. Até 2015, era considerado o maior poeta português vivo, com todo o merecimento.


CORREIA, Natália. Antologia de poesia portuguesa erótica e satírica. 3a. ed. Lisboa: Antígona & Frenesi, 1999.
HELDER, Herberto. Poesia toda. Lisboa: Assírio & Alvim, 1990.
PEREIRA, Edgard; OLIVEIRA, Paulo Motta; OLIVEIRA, Silvana M. Pessôa de. Intersecções – ensaios de literatura portuguesa. Campinas: Komedi, 2002.



Nenhum comentário:

Postar um comentário