Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Poesia portuguesa moderna e contemporânea

        O I Colóquio Internacional de poesia portuguesa moderna e contemporânea reuniu, na Faculdade de Letras da UFMG, em Belo Horizonte, um seleto grupo de pesquisadores de Literatura Portuguesa, nos últimos dias 18, 19 e 20 de abril. Promovido pelo Grupo de Estudos de Poesia Portuguesa Moderna e Contemporânea, Centro de Estudos Portugueses da UFMG, Centro Federal de Educação Tecnológica de MG (CEFET-MG), Departamento de Letras da UFOP, o evento propôs-se a discutir um amplo rol de autores portugueses das últimas décadas.


A proposta vem registrada no Caderno de Resumos como “apresentar um panorama alargado da poesia portuguesa, pensando-a como lugar de convergência e de dissonância de algumas linhas de força que, em suas diferentes formas e metamorfoses, ao longo de todo o século XX e já agora nestas duas décadas do século XXI, consolidam-na como um dos mais vigorosos e inventivos discursos da lírica européia”.



No meu caso, foi o momento imperdível de reencontrar os amigos Silvana Pessoa, Raquel Madanêlo, Viviane Cunha, Jorge Fernandes da Silveira, Duarte Drumond Braga, Luís Maffei, Roberto Pontes e Wagner Moreira. Tempo também de fazer novas amizades - Joana Matos Frias, Jorge Valentim, Paulo Braz, Rosa Martelo, Sandro Ornellas. Tempo de lamentar a impossibilidade de conhecer ou rever, dentre outros,  por incompatibilidade de agenda, pessoas não menos queridas – Conceição Flores, Ida Alves, Lélia Parreira Duarte, João Batista Santiago, Manaíra Aires Athayde. Apresentei, na tarde do dia 19, o ensaio “António Franco Alexandre: os códigos do mito e da modernidade”. Coordenei, na tarde do dia 20, uma mesa em que foram apresentados abordagens críticas, interpretações e debates sobre os poetas Ana Luísa Amaral, Chacal, Luíza Neto Jorge e Maria Gabriela Llansol, por Cláudia da Cruz Cerqueira, Gabriela F. de Abreu Carneiro, Tatiane da Costa Souza e Valéria Soares Coelho.
      Entre os participantes, brasileiros e estrangeiros, muitos estudantes de graduação e de Pós. Apesar da vitalidade do setor, uma comissão do governo federal (petista) emite sucessivos pareceres favoráveis à eliminação da Literatura portuguesa do currículo nacional. "Pátria educadora"... Vai entender.



Nenhum comentário:

Postar um comentário