Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

terça-feira, 2 de junho de 2015

Maria Lúcia Lepecki

Livro do mês:  

          Dentre as atividades que se tornam, por força de contingências variadas e complexas, rarefeitas, a leitura de ficção mantém-se, se não vigorosa, pelo menos altiva. Sempre haverá quem se interesse em ler um poema ou narrativa. Exercida em sua capacidade plena, compreende a leitura uma prática interativa, como uma espécie de via de mão dupla. A relação leitor/obra tem suscitado reflexões pertinentes, em todas as épocas, tributárias do legado cultural do contexto em que se desenvolveram.
            Não é apenas o texto que endereça perguntas, vivências, imagens, noções e impressões a quem lê. O leitor é também um espaço irradiador de reações, por ele transferidas ao texto. Nenhuma mente se apresenta diante de um texto completamente vazia, neutra, virgem. Uma bagagem de vivência e memória a acompanha. Quem lê também dialoga com o texto: faz-lhe perguntas, acrescenta-lhe dados.
            As reações suscitadas pelas palavras radicam em geral do contexto em que foram empregadas e do ofício laboral de quem as lê. A palavra tijolo por certo desencadeará reações distintas, se lida por um pedreiro ou um jornalista. Da mesma forma a palavra nuvem determina noções distintas, se lida por um metereologista ou um técnico em computação.  
            Distante de rasas assertivas de base sociológica, outras são as preocupações da teoria literária. Crítica literária brasileira, mineira de Araxá, professora de literatura portuguesa na UFMG, tendo influenciado uma geração, na qual me incluo, depois em Portugal, para onde se transferiu em definitivo em 1970, Maria Lúcia Lepecki (1940-2011) participou ativamente da vida cultural em Lisboa. Sua atuação acadêmica expandiu-se também em Cabo Verde. Autran dourado: uma leitura mítica, único título dedicado à literatura brasileira, ganhou o Prêmio Nacional de Crítica, no Brasil, em 1977. Em Portugal, foram publicados alguns títulos marcantes: Eça na ambiguidade (1974), Ideologia e imaginário: ensaio sobre José Cardoso Pires (1978), Meridianos do texto (1979), Romantismo e Realismo em Júlio Dinis (1980), Sobreimpressões, (1988), Ensaios de retórica e de interpretação (2004), a que a Associação Portuguesa de Escritores atribuiu o Grande Prêmio de Ensaio literário.


Na apresentação de Sobreimpressões, a autora empreende uma despretensiosa teoria da leitura: considera-a uma prática científica, mais do que um simples hábito ou costume. Como tal, a leitura apresenta-se como tentativa de investigar as coisas e o mundo, através de um método aparentemente simples, por ela denominado de processo de intertextualização, o diálogo mútuo entre leitor e texto. “A grande fonte de prazer de ler, e não menos das canseiras críticas, é o fato de nunca lermos fora da intertextualização. Vamos ouvindo o que o texto diz e simultaneamente o que nós mesmos dizemos, em correlações dificilmente controláveis” (p.14). Em busca de um método que “evocasse deslocações horizontais ou verticais”, amparada em conceitos da Biologia, como confessa, esboça um breve mas engenhoso discurso sobre a interpretação literária. O marco teórico assenta-se em Lewis Thomaz, de A medusa e o caracol. “Tentando fazer dos meus escritos uma proposta, expressão falível de pontos de vista eventualmente coxos, procuro inscrever neles um lugar para a contestação. Vou à cata de jeitos de relativizar, e um bom jeito que encontrei foi denunciar as intertextualizações” (p.15). E prossegue, na busca de elucidar o seu prazeroso corpo a corpo com os textos: “A denúncia das intertextualizações obedece também a outro desiderato. Quero apontar com ela o fato de a crítica ser, na sua mais íntima substância, um modo de imaginarmos sobre a imaginação alheia” (p.16). Ao comentar o desempenho de Miguel Torga como autor de diário, Lepecki comenta: “No discurso literário, toda ausência é recuperada positivamente. Os ‘espaços em branco’, onde o escritor criativo deixou de falar, são ‘reservados’ para a nossa fala: enriquecemos o texto com o que nele projetamos” (p.139). A crítica configura-se então como uma tentativa de compreensão partilhada com outrem, o resultado daquilo que teria origem no “compreender para si – gozar o texto entre a vigília e o devaneio” (p.20).
            O volume enfeixa ensaios e estudos que versam sobre um rol variado de autores de língua portuguesa. Além dos nomes de eleição, objeto de análises anteriores, como Camilo Castelo Branco, Augusto Abelaira, Virgílio Ferreira e Carlos de Oliveira, Maria Lúcia Lepecki esquadrinha também obras de Almeida Faria, José Gomes Ferreira, José Saramago, Lídia Jorge, Maria Gabriela Llansol, Mário Dionísio, Pedro Tamen, Luandino Vieira e Mia Couto.

LEPECKI, Maria Lúcia. Sobreimpressões – estudos de literatura portuguesa e africana. Lisboa: Caminho, 1988.

            

Nenhum comentário:

Postar um comentário