Total de visualizações de página

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Centenário de Lúcio Cardoso

      2012 no fim, mas antes que termine, cabe lembrar o centenário de nascimento de Lúcio Cardoso - em Curvelo, MG, em 14 de agosto de 1912, falecido no Rio de Janeiro, a 24 de set. de 1968. Surgiu como escritor com Maleita, novela de traços regionalistas, em 1934, influenciado pelo neorrealismo, reconhecido por críticos e autores numa época em que a ficção de cunho social estava na moda. Em 1935 publica Salgueiro, novela sobre o morro homônimo do Rio, na mesma tendência. Com A luz do subsolo, romance de 1936, o autor adere à ficção intimista, de análise psicológica, na qual viria a se notabilizar, como o principal representante no Brasil. Nessa vertente, seu trabalho encontra parceiros em Octávio de Faria, Cornélio Pena, Josué Montello, Erico Verissimo, José Geraldo Vieira e Clarice Lispector. Com os dois primeiros passa a ser conhecido como o grupo de ficcionistas católicos, atormentados pela questões ligadas à dúvida religiosa, ao sentimento de culpa e à decadência. Em 1938, aparece Mãos vazias, novela impregnada de inquietação, angústia e sentimento de impotência. Em 1941, com a novela O desconhecido, Lúcio Cardoso retorna ao ambiente de Minas Gerais, ao empreender a análise de um indivíduo, cujo passado permanece ignorado, que se estabelece como trabalhador numa fazenda. As relações de José Roberto, o protagonista, com a velha proprietária, que tenta enredá-lo em sua teia dominadora, e com outros funcionários subalternos delineiam o pano de fundo da trama, cheia de peripécias, assassinato e fuga espetacular. Dias perdidos, o romance dado a lume em 1943, assinala em definitivo a consolidação do autor como romancista, desta vez operando com elementos autobiográficos. Em 1944, publica a novela Inácio, que prossegue em O enfeitiçado (escrito em 1947, lançado em 1954) e Baltazar, só publicada em 2000, formando a trilogia por ele denominada "Mundo sem Deus". O sentimento do ódio torna-se a temática básica de duas novelas, A profesora Hilda e O anfiteatro (1945). A consagração como romancista ocorre com Crônica da casa assassinada, de 1959, ponto alto em arquitetura narrativa, densidade dramática, escavação psicológica e espessura trágica, ao sugerir o debate em torno de paixões incontroláveis e do incesto. Como atividade paralela, simultânea à escrita dos romances, o autor dedicava-se à poesia, ao registro de um caudaloso diário, a roteiros cinematográficos e peças de teatro. Atingido em 1962 por um AVC, que lhe paralisou metade do corpo, encontrou nos últimos anos na pintura sua forma de expressão. 
      Extremamento habilidoso em descrever conflitos extremos, ocorridos em cenários toldados de fumaça e sombras, quartos de pensão ordinária, mesas de bar sórdidas, apartamentos sufocantes, bordéis do centro do Rio antigo, interiores de fazendas mineiras, Lúcio Cardoso construiu um universo ficcional único, habitado por personagens insatisfeitos, perversos, alucinados. 

      A extensa fortuna crítica sobre sua obra tem início na década de 30 do século passado (Agripino Grieco, Manuel Bandeira, Carlos Drummond) e acompanha o aparecimento de seus livros. À medida que os anos correm, denota maior concentração e verticalidade. Ao lado de elogios, há também apreciações comedidas, como a de Mário de Andrade. Na década de 40, Sérgio Milliet aborda alguns romances de Lúcio Cardoso, salientando o sopro de novidade que eles trazem. Nas décadas de 50 e 60, Álvaro Lins analisa os romances A luz do subsolo e O desconhecido, sem esconder interesse e admiração, chamando a atenção para o seu relevante trabalho ficcional. "Exatamente esse clima de pesadelo é que constitui toda a atmosfera dos romances de Lúcio Cardoso, em que figuras, acontecimentos, paixões transcendem desde o início para um plano de intensa dramaticidade. Já se disse, por isso, que eram falsos, irreais, mistificados. Por mim, acho-os verdadeiros, reais, sinceros" (LINS, l963, p.113). O mesmo Álvaro Lins, na sequência, lamenta o rebaixamento estético de duas novelas, A professora Hilda e O anfiteatro: "representam ideias que não se concretizam devidamente em matéria de ficção, paixões humanas que não se revelaram em episódios, nem se exprimiram em caracteres de personagens, de acordo com a técnica e a forma da novela" (LINS, 1963, p.116).

      Em 1972, é defendida uma dissertação de mestrado sobre o autor: Formas de evasão em LC, trabalho elaborado no curso de sociologia da USP, por Guilherme Ferreira Silva. É a primeira pesquisa de um total de 82 trabalhos acadêmicos existentes até hoje, entre monografias, dissertações e teses de doutorado.  Na década de 80, seduz grande número de pesquisadores: Mario Carelli publica a biografia, Corcel de fogo: vida e obra de Lúcio Cardoso (1988). Dez anos mais tarde, Ruth Silviano Brandão, na UFMG, ministra um curso de Pós-Graduação baseado em sua obra, comemorando os trinta anos de sua morte; daí, resulta a publicação de Lúcio Cardoso, a travessia da escrita (1998). Em 2006, Ésio Macedo Ribeiro publica O riso escuro ou o pavão de luto: um percurso pela poesia de Lúcio Cardoso. Em 2008, o Centro de Estudos Portugueses da UFMG dedica-lhe o número 39 de sua revista.  O ano de 2011 assinala a publicação da obra poética, organizada por Ésio Macedo Ribeiro, a monumental Poesia completa (Edusp)Deve-se ainda a este pesquisador a publicação do conjunto dos diários, lançado em 2012 (Diários- Lúcio Cardoso). Contos da ilha e do continente, coletânea de narrativas curtas publicadas na década de 40 e de 50, selecionadas e apresentadas por Valéria Lamego (Civilização brasileira), constitui outro marco importante, neste ano do centenário do escritor. 


LINS, Álvaro. Os mortos de sobrecasaca. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1963.
CARDOSO, Lúcio. Diários. Organização, apresentação e notas por Ésio Macedo Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário